domingo, 18 de junho de 2017

corpo-ilha

as palavras são nada
mas tudo que tenho
senhor,
é esse mar na língua

junto algumas letras
formo sílabas
e melodias diluídas
em balbucios

sobras de um corpo-
ilha atracado à cama

tu me olhas, aguado,
insone das noites e
há dias
em que sonhas céu

mas tua pena amputa
meu voo


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário