segunda-feira, 5 de junho de 2017

à beira

sinto-me à beira
das palavras
à beira da pele
à beira do centro
à beira da voz
passada
atrofiada
a memória
à beira
do acidente
vasculhar

o cérebro
eu sonho
um sonho
sem imagens


brancura

decompondo
a palavra
tor-ci-co-lo
calo

torcionário
meu algoz
torturo-te
em palavras
mastigando-te
à boca
à beira
dos dentes

um rastro fino
de sangue
à beira
do papel

só a morte pode me deter
só a morte pode
salvar nossos sentidos

essa coisa-mãe
à beira do pai

bioluminescência


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário