sexta-feira, 31 de março de 2017

lietuva

*
não queria ter batizado
com o meu nome
- lietuva -
aquela ilha sob teus pés

uma pinta é só uma pinta
solitária
no meio de seus tropeços
os nomes
são territórios da poesia


*
não queria mas tracei
uma fronteira em giz
de cera

dois por um e meio:
são os limites da ca-
ma-
me
equilibro na borda
tubarões aguardam
no tapete de águas

*
rasas
as cortinas acenam
você
está me deixando


*
louca
a língua que falam
as anêmonas:


*
três calcinhas ver-
sejam de quem for
não são
minas


*
terrestres seus pés
não sabem
nada de mergulho
eu pulo


*
explosão


*
lʲɪɛtʊˈvɐ



Nenhum comentário:

Postar um comentário