sábado, 15 de outubro de 2016

assentamento

com camomila & calêndula
preparo um banho-
de-assento
não sento, de cócoras ainda
rego
teu nome
assentado nas partes

íntimas, as conexões que trans-
ladram do corpo
à mente

ascendo

<13 horas de avião para pousar
no teu assentamento>

esfregaço de pimenta
só do pescoço
pra baixo: e o poema
arrepia todo

<eu ardo>

melado de dendê
iminente
no entre pernas

<melhor mesmo é jejuar>

acendo

uma vela na língua
e me escuro toda

versos enrolados
nas folhas

<de chicória>

a pele picando:
abelha-rosa, moscatel
& mel

e o poema se faz
ebó eu mesma gegê
jejurada axé
deitado no tempo
filha de santo
com dentes


.

2 comentários: