quarta-feira, 14 de setembro de 2016

oferenda

e se me dizes que é bento, movimento
se me dizes boiadeiro,
flecha ao vento, marinheiro, seda, saia
rodada mulher
se me dizes, ouço tua vinda na minha
gira o terreiro tatuado na sola dos pés
soleira exótica
guerreira, tu a que te moves no canto
dos olhos, íris

se me dizes na mudez dos versossímeis
então é a ti que te entrego
não só o mundo, mas a casa
não só a casa, mas o quarto
não só o quarto, mas a cama
não só a cama, mas o travesseiro não
só o travesseiro mais o sonho
não só o sonho, a pineal

e se é para haver entrega então veja
minha oferenda: o lúmen
e três cigarras aterradas na garganta
minha oferenda: o hímen
da língua renovado a cada investida
pó&cia ogiva transcriada'e'traduzida
minha oferenda: o dendê
da palavra formiga laborada vagina
céu de minha boca, salina
e saliva

em segura na ginga geruza me gira
no t'eu mover-me o equilíbrio des-
equilibra
re-re-reorganiza balança ajustada não
dança
no escuro, descansa
do lúmen ao hímen
do quimen ao kimen
sumaúma: sim&sina

m'ensina


Nenhum comentário:

Postar um comentário