quinta-feira, 14 de julho de 2016

sobre a mesa do bar

de cócoras
sobre teu rosto
enquanto pinto
as unhas
de vermelho-
vivo
o amor
de ponta
cabeça-
dura, você
contando notas
amassadas
embebido
de mim

desequilibrada
sobre salto
rascunho
teu corpo
amargo, amora
dois riscos
perdidos

sinuca de bico
a bola
branca
encaçapada
na garganta

não demora, tua
língua
me fode
a alma


e eu tomaria uma garrafa
[ou duas]
de você
sem tirar a boca
do gargalo


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário