domingo, 10 de abril de 2016

[costa]

àquele que vem mundo
mudo narrador de asas
e anéis encadeados
aos pulsos ou canelas

que vem ainda muitos
ou nenhum
eu sedento, indistinto
em cacos
de fósforo,
carvão e bromo,
ferro e cário,
fogo
fôlego e fé

que vem à noite dentro
do dia, enxofre molhado
escarpado, escalpelado
náufragado
na terra fria

como quer que venha
àquele que vem:
o colmo
o quarto
a cama
a mesa
o corpo
acalma
e o breu
do meu vinho


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário