quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

folia

folião apressado:
se o tempo s'esticasse para além da fantasia
descobriria no meu corpo
a nascente
de toda poesia


.

concertina

eu te dei o meu buquê de margaridas negras
e você cheirou
duas carreiras brancas sempararprarespirar
eu te contei em segredo o meu nome
gardênia de ascendência escorpião
e você injetou até a última gota do teu veneno
na minha garganta
e eu engoli
suas palavras ácidas
e me roubou três orgasmos porque eu não
queria dar
e então fodemos o amor feito
dois ouriços mexicanos
concêntricos
& alucinados
dezesseis mil picos no wikipédia
e o risco
roleta russa na rodovia, ruiva
você rugia
as orelhas roídas
de serpentinas e concertina
um carnaval-de-olinda
em blocos de pêlos
fantasiados nós 2 dedos
suados e metidos
na febre funda da poesia
fodíamos
e era o amor ou quase
riso de pierrô
dentes ensimesmados
fodendo
fodendo
fodendo

ourissos


.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

[nada]

suspenso o corpo grosso da ideia
parado [ainda] no relógio mudo:

teus ponteiros perdidos
pousados pra sempre nas penas
da águia
aquática

seguro meu sexo
camuflado em algas estéreis

o rio sereno
não sabe dos meus nadas
singulares: NADA

pensa lodo, pedregulhos
surubins dourados e grandes cavalos-
marinhos

onde camufladas em águas há apenas
pequenas obsessões
[e uma grande
talvez]

libertas da língua, palavras
deixam o porto sem aceno

oh alas, para qué las quiero
si tengo mis aletas pa' NADAR?





terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

às margens

plantava-me
[ali]
sobre tua boca
ereta
e per-fei-ta-men-te
equilibrada

caule e
botão de rosa
prestes a desabrochar


.