sábado, 29 de agosto de 2015

[abstinências]


desculpa se piso assim
nos pés
dessa tua palavra
alta

desculpa se meus saltos
esmagam
a fumaça
dos teus signi-
ficantes

desculpa se peso
sobre
os cílios
da tua ideia rara

desculpa meu des-
concerto
nessa manhã des-
culpa

se machuco o corpo
sinuoso
da tua voz
ainda nos vãos
entre móveis
da casa

desculpa se finco
os dentes
na tua garganta
pra tragar
o silêncio
da minha ausência
de sentido

na tua vida

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário