segunda-feira, 8 de junho de 2015

animal

farejo
restos
de uma memória

de uma memória
de águas
sobre os lençóis

farejo teu corpo de chuva
         teu corpo árido
                       de chuva
desabando
                    e escorrendo
sobre o telhado
da minha ideia

raridade
é o cheiro que vem de longe
é o cheiro forte que vem
                             do longe

farejo
farejo
essa memória
que nunca deixa

farejo essa memória que não
me deixa
que não me deixa
que não me
                 deixa
que não


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário