segunda-feira, 9 de março de 2015

escritura

que bíblia outra poderia substituir
a ti
o meu corpo?

ninguém peca fora do seu templo

depositada então sobre mim a tua
crença
debruça-te agora sobre as folhas
desse tomo
e me toma
                  pelas costas
                  mesa
                  posta pro teu santo
garfo
e ceia

decora linha alinha as pegadas
desses apóstolos
que ainda vivem os seus des-
caminhos nos meus
desenganos, tua visão falha e
míope de milagres

bebe do meu vinho, come
do meu corpo, manjar sober-
ano das traças
ó santa traça que me come
as veias
ave-te avarum avis rara
que sou
eu
a bíblia fincada no teu colo
erva daninha imitando arco
íris

coloca-te agora: teus olhos
tua boca, tuas unhas crescidas
pra dentro entre
minhas folhas abertas ao meio
fio,  o marca páginas de água
dourado e ora
à nossa senhora das serpentes,
à nossa senhora das justas ser-
pentinas púrpuras, pede chama
clama
porque eu gosto de joelhos
dobrados
esfolados
no asfalto

estilhaça a tua medida mínima
de cacos
amarelos


é de asfalto que o inferno é feito

não há como fugir

a fé sobrevive de ausência

"a fé sobrevive de ausência"

.

Um comentário: