sábado, 14 de junho de 2014

o pai

era moça mansa. ordeira e dedicada ao lar. todos estranharam na mesa o desejo de tatuagem. estranharam mais ainda o eu-vou decidido nos olhos primeira vez de fogo. mas porque sem ver ninguém acreditou. debaixo das roupas muitas, uma de cada lado, duas esporas fundas vestiam de tinta rastro vermelho cravado nas ancas.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário