sexta-feira, 6 de junho de 2014

entre dentes

toco macio
teu poema
meus dedos de chuva
e haveria seca dureza
                     na boca da noite
                     mesmo que dia?
quando?
calcinha de algodão
                  sobre a ferida
                  nada
estanca o que é vermelho
fenda
no asfalto pubiano gastura
de estrelas ca
                dentes
mordida funda pracura paz
de cachimbos
quando? todos os quandos
são amar
   elos
azuis cosmoagônicos
                           adiam
a morte do gozo


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário