terça-feira, 4 de março de 2014

nuvens blancas



1.
sob a neve
de papel picado

pinhas
ouriços-do-mar
objetos inanimados

se animam
e dançam



2.
o eudifício balança

como cortina ao vento
ou bandeiras de são joão
com grito epilético

em queda
livre


3.
estigma
coberto por notas de espuma
no canto
da boca


4.
depois do terremoto
resgato restos da pseudomemória
do que não vivemos

ainda



5.
existência
noturna & crepuscular

apito de locoemotiva
distorcendo o cronograma
                      da ferrovia



6.
passa um gato (dejà vu)
passa um boi (dejà vu)
passa um transatlântico no meio do quarto (dejà vu)

me escondo embaixo da cama
me passa você
com capacete de Darth Vader

jamais vu


7.
som de tambores
silvos e tinidos 
cheiro de trovão verdemusgo

perfuram o buraco da fechadura

a floresta invade meu quarto
cubro o travesseiro com a cabeça
e subo embaixo da árvore

fazendo micagens



8.
na despensa
um campo de cogumelos
em conserva

primavera em estufa 
de vidros proustianos



9.
divide-se o campo em dois
times de futebol
neurônios em hiperatividade crônica
versus neurônios holandeses com lesão
nos joelhos

 

10.
metamorfose do lobo temporal:
um agora todo branco
uiva
e se lança sobre mim


 
11.
na sua mão nasce um buquê
de bromélias & brometo
na minha, a brisa d’um sopro

aceito
prometo



12.
odisseia visual
entrecortada por sinais de trânsito:
luzes vermelhas, amarelas e verdes

palco de um show da Broadway
lobo diretor por detrás da cortina:
corta!


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário