terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

sem título


penso um poema
que não quer ser


penso um poema
que não quer ser poema

penso um poema
que não quer ser palavra

penso um poema
que não quer ser imagem

penso um poema
que não quer ser o traço

penso um poema
que não quer ser som

[muito menos silêncio]

penso um poema
que não aceita o verso

penso um poema
que não se rende
ao impensamento



carga azul
de caneta bic
estourada entre os dedos


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário