domingo, 2 de fevereiro de 2014

garganta

mas
por mais
que me agache
e me arraste rente
às pedras do chão
tua palavra
pousada à Altura
dos ombros
bicando orelhas
subindo escadas
para o canto
finíssimo
teu tom
perfura tímpano
e sagra o ouvido
sangue
deslizando
apenas
por outros
caminhos
curvaturas
ascendentes
destinadas
à garganta

é lá
que teu canto
canta
escalando lábios
envolto à saliva
cuspido à terra
colada à boca

minha horta
de papoulas
vermelhas


.



Nenhum comentário:

Postar um comentário