sábado, 22 de fevereiro de 2014

58 s

rega meus olhos
regala meus olhos
arregalados pra t'enquadrar na minha liberdade

papoulas brotam
no céu da língua
não ligo: papoulas são lindas assim orvalhadas

boto a língua pra fora e exibo meu canteiro poético:
meus sons aromáticos incensando a gira dessa ode
onírica & olírica
orquestra de flashes
fosfenos & mickey mouses
cintilantes opiáceos flutuantes

boto a língua pra fora e teu canto me caminha sobre botas
excitando papilas daninhas
pisoteando papiros inúteis
em arriscado snowboarding
por gargântulas negras
                   e nevosas

rega meus olhos
regala meus olhos
arregalados pra m'enquadrar nesta tua liberdade
                                                           nervosa


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário