segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

descobrimento

a gente se acostuma com a ideia de que nada há para se descobrir
a lua, as geleiras, o deserto, o pico de montanhas e lábios,
os lugares mais distantes e sagrados, tudo
tocou o homem
até que num dia de pouca lua
em expedição rotineira pelas veredas daquele corpo
surge, desde sempre encoberto pela nudez,
um ponto
uma ilha
uma inexplorada
pintinha
(tão linda!)
no detrás da orelha
então, no peito, o orgulho se confunde com o amor
e a gente se sente
desse mar
seu descobridor


.



Nenhum comentário:

Postar um comentário