terça-feira, 24 de dezembro de 2013

mel

todas as manhãs
o Poeta
toma uma colher de mel

lambe-a com vagar
cuidando para adoçar
toda a extensão da língua
e a abóboda do céu da boca

entre os dentes
abelhas atentas
aguardam com seus ferrões embainhados


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário