quinta-feira, 31 de outubro de 2013

raízes nuas

nem o seio
de uma sereia
pode me devolver ao desejo

insana solidão de cascos batendo duro no teto
e meus ventos que não dormem rebelando-se
no quadrado de uma foto 4x4 paredes
grades de espuma nos cantos da boca

me dá teu grito
assim pelas bordas
que eu avanço

me dá teu grito
e eu me engulo
na tua hora

não me mete mais medo essas raízes à mostra
teus dentes pequenos punhais abocanhando a ideia
eu estou falando de pequenos punhais abocanhando
a ideia


retrogosto de inferno
pra quem não sabe quão mortal é a morte


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário