quarta-feira, 16 de outubro de 2013

não me ama

não é a mim que você
ama
você ama so
                mente ela

em mim ama os olhos
que correm descalços
                    e macios
                    sobre as costas
                    do papel
                    massagendo
                            egolatrias

não ama
minhas mãos
as maçãs que trago no rosto
as estrelas-do-mar nadando
                    no céu da boca
não ama
a chuva ácida
as pitangas temporãs
os mamilos de girassol
não ama
os cabelos que despencam
               segredando nuca
minhas tempestades
as orelhas e o nariz
não ama a língua que geme
                   no entre-pernas
a penugem rala que lambe
                          louca pele

para você só tenho olhos
                 não tenho voz
                 não tenho nós

mas tenho a caixa
dourada forrada  em veludo
                             vermelho
no tamanho exato
para acomodar dois olhos
                 verdes e tristes
que desaprenderam a arte
                            de amar


mande-me o endereço
que envio por correio
com os cumprimentos
de geruza

     aquela que já não pode
                                  mais
                                  chorar


.









             

Nenhum comentário:

Postar um comentário