segunda-feira, 23 de setembro de 2013

palhetas

por que palhetas?

dedilha livre
            mente o corpus
                         poético
                         profético
dó ré mim lá só
            tensionada toda

gargântula
metálica
garras & cordas

             d'aço
farpa
             harpa
harpia

             rapina
mulher
             ave
maria
            ampli
fincada
            som
a
           
ressonâncias
na memória em cortes
digitais
tateia longamente a lâmina
                              fere
                              arde
                              sangra

sem teto
sem chão
a música mora na dor


.


           



Nenhum comentário:

Postar um comentário