segunda-feira, 30 de setembro de 2013

no avesso

sim
há um cheiro
           de suor
           de sêmen
           de sangue
           de carne de poesia
                              crua
                              e nua
           de animal
           ensandecido
                  no cio

que água-de-rosa
       flor-de-laranjeira
       água-de-colônia
       aroma-de-romã


fragrância nenhuma
                 pode disfarçar


.

dona Flor

dona Flor
         plantada
         na grama
         na cama
           acesa
          chama

Jorge
     [Amado]


.

cerca viva

todas essas palavras
         [nossas palavras]
são só muros

         
você mora
         no meu silêncio


.

         

sábado, 28 de setembro de 2013

aula inaugural de poesia para o poetas

1.
quem brinca
         com poema
         sai ardendo de poesia

2.
quem planta poesia
         colhe
         a tempestade


3.
nem só de ilusão
         vivem dois poetas


4.
um dia se cansa
          outro se caça a dor


5.
quem com poema fere
         com poesia é perdoado


6.
mente libertina
          alcova de poetas
                         diabólicos



7.
é poetando
        que se escreve
                   a verdade


8.
o que não tem poesia
        não vale a pena


9.
viveremos amanhã
       tudo o que escrevemos
                              até hoje


.

cores de primavera

brotam-me
estranhas
           flores



colorido canteiro
embrenhado ao ventre
primavera-me a barriga
                      o peito
                      a boca
                      o corpo

pétalas delicadas
            em róseos & vermelhos
arrancam suspiros
               desejos

dentro [um grito de dor]
                estranha raiz
                hospedeira
                agarrada às entranhas
                               às ranhuras
                                 às rasuras
                                   do útero

[não se ouve]


.

          


aula inaugural de poesia para músicos

cordas
não são rédeas

não há como domar
                     som
                     sono
                     acordes

                     música
        
não

                     se monta

se rende

                    à mão
                   
livre



dentro do Arco
mora um cavalo

sel

        va

                Ge

m


.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

médium

gira
   gira
gira
   gira
gira
   gira

o poema
       desaba
            cansado
                no centro plano do papel
                     nada
                            (o)
                               reanima

geme
    treme
sofre
    baba
agita
    urra

o poema perde
                   os sentidos

               perde
                   o sentido


levanta
             leve
                       lindo
                                  voo
           
              pomba
                
              Poesia


.


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Gesto

que não se confunda
um canteiro de flores
com a flor
          ele'vada
                ao alto
                do braço



a Flor
empunhada
é ato


.

dos desatinos

haveria destino
mais desejável
às cartas de amor
que não o fogo?

todas as cartas
se são de amor
pro-vocam
       incêndios

somente destinotários
              ingênuos
tentam calar
a voz d'amor
com chama
       
        me chama
          me'ama


Gesto
desmedido
         e incontrolável
             de sobrevivência:

*atear fogo à fogueira*

ou simplesmente:
jogar o sapo n'água





[hahaha]

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

drummonderela

em noite de festa
calço meu poema
                de cristal

e me apresso para perdê-lo
                                   aqui
                                         no meio do caminho


.

catedral

recolho teus cacos
espelhados no degrau
                       da escada

mergulho um a um
               em água benta
                     & baba
               de demônios

aí te escondo
no cômodo
secreto da sacristia

e rezo
   um riso
   pra você voltar
             

eis o meu mistério
                 de pé


.

           

            
           

1000

cartas de amor
todas pra você


         acredita?

.

pequenos embates

covarde
        deus
        da Guerra

que arde
       na cova
       di-gi-tal


.

desfile

há sempre um desfile
                de mortos dentro da gente,
                                                que só a gente


há sempre um desfile
                de mortos fora da gente,
                                            que só a gente não

santíssima muerte

dentro
me mora um méxico

por isso esse desfile de caveiras
                     adornadas de flores
                                          vivas
viva!

la Santa Muerte
desliza soberana
           seu reinado clandestino
           no mundo dos vivos



dentro
namoro um méxico

por isso essa ardência
                    picante de chili
                    queimando palavras
                                     em verdes
                                     amarelas
                                     vermelhas

cinzas
da ideia
ceifada na voz

dentro
me projeto
     protejo 
                 méxico
                 cortejo

pimenteira seca
                 amuleto
                 fechando o mar Tijuana
                                dedos vermelhos
                                pendurados no peito
                                                       porta
chave d'ouro
            entro

dentro
me velam velas
               corpo-gadanha
               empunhado sobre méxico
                                          c'oração


.          

terça-feira, 24 de setembro de 2013

poços

sim
     são abissais esses
                        poços
                        onde buscas
                                  águas
                                  lavas
                                  minhas
                                  vulvas
                                  vulcão
                                  chama
                                  líquida
                                  

mas nenhum abismo se compara a este sem fundo da palavra plana plantada letra a letra lutando contra o silêncio camuflado pelo barulho ruidoso de roldanas promessa de encontro adiado no tempo sem tempo da escrita porque nenhum abismo se compara a este sem fundo da palavra plana plantada letra a letra lutando contra o silêncio
sim
      são abissais esses
                         poços
                         onde buscas


.
                                                    

erva

eu
erva
gostosa

furiosa
      
alucinada
alucinógena

toda vez que me acende
                    e me deixa
                             quei
                              mar
assim
bem divagar



                             inho


.


procura

tem certeza que me quer?


então
me procura ali
no poço seco e cego
no vão da escada
na dobra da porta
no buraco da fechadura
no debaixo do tapete
na caixa de costura
no lixo de reciclável
na última gaveta
no livro de receita

no centro da mesa
               de centro
               da sala de estar

me procura ali
onde todos olham
e ninguém vê


.
               


sim

sim
eu deixo você passar a mão aqui
sim
eu deixo você passar a mão
sim
eu deixo você passar
sim
eu deixo você
sim
eu deixo
sim
eu
sim


.

maçã

maçã
colada à lua


como
maçã verde
         madura

.


tao

real
   mente 
           eu não sabia que podia

ser tao

azul


.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

s.o.s

por favor
me ajuda

a desatar
   esse nó
          cego
          de pernas

talhado
na garganta


.

trovões

guardo
tuas palavras
no céu da boca

porque no meio da noite
depois da tempestade
tenho fome

de novo


.

tempestade muda

tro
   ve
      jo
             longe
                  aí


.

banho

te espero
no corpo o banho
                  de arruda
                  e alecrim
                     florido
escorre
lambendo a cambraia
                   branca
                   colada
                   aos seios
                   duros bicos
                             pássaros
                             aguardando
                             madrugada

sob os pés uma poça
                        esconde um poço
                                           cavernoso
                                           camuflado 
                                           no caminho
ao revés




.
                       

palhetas

por que palhetas?

dedilha livre
            mente o corpus
                         poético
                         profético
dó ré mim lá só
            tensionada toda

gargântula
metálica
garras & cordas

             d'aço
farpa
             harpa
harpia

             rapina
mulher
             ave
maria
            ampli
fincada
            som
a
           
ressonâncias
na memória em cortes
digitais
tateia longamente a lâmina
                              fere
                              arde
                              sangra

sem teto
sem chão
a música mora na dor


.


           



néctar


lua branca
lótus estelar
plantado no astral

planto-me também
                abelha
                bailarina
                equilíbrio
                desponta

dalaimeama
      alma & lama
brancura nua

sobre pira sagrada

anjo flamejante
        ascendendo
        cosmoagonias
                   viscerais


flores

enlaça-me
flores à cintura

incorpora-me
girassol
ao teu canteiro
          colorido

melodia
doce de abelhas


.
        

estátua-mulher

tua pele pinga
pouco a pouco
sobre mim
         Estátua
pigmento
pigmaleão
areia & már
more
mais
marrom
vermelho
& azul

escorrem olhos
               sobre mim

tela
lama branca
barro queimado
pulsa tua veia
trem atravessa
estremece
trilho
minha natureza
viva

mulher


.




o jardineiro

o jardineiro
aduba o que é terra
e (me) faz flores
ser

viva


acordada
nos teus olhos

estremece
minha natureza

buenos aires

para minha buenos aires
meu mais fundo suspiro
               feito de passos tímidos
ao revés
movimento contrário ao tango
                                    do vento
                                    pampeiro


para minha buenos aires
meu mais alongado sorriso
               amorado em lábios tintos
rosa em flor
plantada no passeio de parques
                                   verdes
                                   passeatas gris

para minha buenos aires
meu mais caloroso desejo
               cobiçado de ancas tantas
onduladas
olas prateadas águas em La Boca
                                      de livros
                                      raros

para minha buenos aires
meu mais certo encontro

               marcado no tempo
               catedral de saturnal
               retorno

para minha buenos aires
nada menos do que tudo
porque n'ela deixei
minha buenos aires
querida




[para María Alejandra Yáconis]


.


arqueológica

no movediço
     amarelo
     deserto
     de Sara

dunas cospem
          pranchas
          e pernas

         fossilizadas


.

hard road

cacto
carranca de guardião
protegendo delicado fio de água

ouriço destemido e cego
           furando pneus
           no meio da estrada


.


meteorologia

se chove
    tudo e forte
    certo e de uma vez

o jardineiro não precisa molhar a planta


.

tempo

trinta e oito pétalas depois...

o girassol
           virou

                 semen-te


.

tardes

tardes escuras
          de cinzas
          & úmidas
          de asfalto

me lembram me
     

rosto
refletido no espelho


.


nebuloso veneno

ergue logo
avança o punho
            da ideia
          
toca ereto
       o dedo
          de deus
                     a

tarântula
nebulosa

infinita cadência
          de pernas
                    abertas



doradus
delicado
mergulho abismal
do peixe-espada

na constelação marinha

licoroso veneno
             pinga no etéreo

gestação de pérola
                   celestial

                   nova
                   supernova

                   novíssima 



.




meteorio

noturna ameaça
de chuva


aquarius
rasos d'água


.

matinal

no molhado gostoso
que escorre entre os vãos
dos dedos

o poema
         meu querido

enlouquece


.

cinema mudo

sonho
de mil beijos

          preto
          branco
          & tintos


.

cruel


castigado
todo o corpo
insanamente desde
os pés
pernas
pescoço
seios
virilha
ventre

vertendo pétalas
              vermelhas

máculas de um açoite
emaranhado de flores


.

ballet

profusão de tules
em pálidos cinzas
                 fumaça
                 etérea
                 coroa de ancas

bailarinas
             girando
em nado molhado

no lago da língua

ballet blasé
dissolvido em tragos

estragos
          te trago

coreografia do fogo
                   hasteado

                   no ponto
                   mais alto
                   da fome


.

domingo, 22 de setembro de 2013

amorada

sereno
suave no intervalo
entre o pelo
         e a pele

amora
vermelha
apela dois dedos
                de paz

.

é

é possível
que vivendo tão fundo
                   e tão dentro
                   da minha mente

conheça o que ainda
                       nunca foi palavra
                       nunca foi canção
                       nunca foi poema

conheça o que ainda
                       é segredo

inacessível

mesmo

                       à Poesia



?

.


poemas armados

letras
palavras
poemas
disfarçados de canção

cordões dourados
amarrados ao pulso

ciranda
círculo anelar
comprimindo pescoço

estranhas
sintaxes
perfurando entranhas

gangue
de poemas

encapuzados
arrastando refém
                 minha poesia

cativa 


.

introdometido

teu desfibrilador
      intro-metido
      cavando urgências
      no corpo silencioso e sonolento da minha


poesia


.


                                                

bola 8

verde
gramado rústico
sobre o qual o infinito
                     se agita


.

papéis

embate
de coxas
     sobre o colchão
                  solo
                  arenoso
                 
roçar dolorido
                    e duro
imprimindo arabesco
na pele humosa

de poros
     macios

de costas

agora nuca
        e nádegas
               sulcadas

silêncio sustenido
             mi  maior

pausa
em pauta
pausa

lençóis em branco
             amassados
                          no chão

na cama
nenhum espaço
para cartas de amor



.




        

canto

sereia
muda

[tapa os ouvidos]

Ulisses
à vista


.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

opera

contra
um exército
      de tesouras


lâminas
animada bailarina
               sobre ponta


carrossel
gira-girando

pensamento

               salto
               alto
               cisne


neblina
tule de penas
alvíssima pele
segredando veias

cortinas
fina película azul
abertas

espetáculo
espetado no tempo
presente


.

diálogos imaginários

Sarolta Bán

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

4 rodas sobre jardim

eu nunca te li

antes
        toquei-te
        palavras
        uma
        a uma
úmida
        de delicadezas

garoa fina
sonhando relâmpagos
               trovões eternos
               tremores
               em teus braços

lambendo ciosa
                os vãos
                da tua ideia
                refugiada
                sempre entre
                escombros

obsessão
é o nome sagrado
               e secreto
atravessado
               na garganta

espera
sorrateira espiã
               inesperada
apunhalando
               possibilidades
               pelas costas


.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

o natal está chegando

não sei bem o porquê mas
queria ser um peru assado
numa noite triste de Natal


.

ana

ana escorpiana cela
amarelouro espiã
disfarçada n'areia
repicando rara ideia
desértica salobra oca
louca ideia lunar

miragem marinha
velada no veneno

pico perpétuo alucy
nado livre borboleta
babando desejo azul
entre veias & venhas


.

ampulheuta

....................................
.....................................
ampulheta, tempestade
Senhora do meu Tempo
atemporal e temporã
aind
agor
areia
mínima & múltipla
minúscula & milimétrica
grão de chão escorpiã-espiã
...um mar miragem à beira do deserto infinito da ideia...
..........................................................................................
..........................................................................................





.

sábado, 14 de setembro de 2013

um verso

já tomei
uma garrafa de café
e fumei 9 cigarros

e não consegui escrever
um verso
à Altura

pra Você


.

paisagem de pinheiros em pé

hoje
a noite
esquece
papel & tinta
quero fazer poesia

poesia desesperada
de carne & chão

quero metáfora
forte
na terra batida

saibro vermelho
tingindo os poros
nudez de ideia

quero fazer poesia
até doer
até amanhecer
mergulhada
profundamente
em lençóis freáticos
 
.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

ninho



no meu ninho
me aninho
me alinho

anilhada

ooVoo


.

bandeira

ela quer
      ficar
 no topo
     

fincada
bandeira

amar-elo
hasteado

girassol
treme
    luz
        ente

fios
finos

ouro
       
         derramado

alto

pico
prata


.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

sem título

se você me amasse
teria percebido que sou feita
                                    de gente


.

desabafo

há tanto tanto que te espero
tuas palavras todas coladas
sobre os poros
corpo-claustro
cartas de amor


por que nunca nunca
                               Vieste?


.

carne

agora
que o verbo
se fez carne
          COMO
          posso
          domar
          minha fome?

COMO
manter-me fiel
à leitura silenciosa?

COMO
se os lábios
tintos tingem
vãos & entrelinhas
com uivos que se estendem
desde a ceia até o amanhecer


.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

montaria

monta então
tua Casa

habitame


.

jardineiro

meu jardineiro
tem um buquê
plantado
no braço

ele enlaça minha cintura
incorpora-me toda à pele
aduba-me fundas raízes

e me chama flor

é no seu jardim
q' eu faço amor


.

inseparável

tu'asas nas minhas
plantadas no peito
               na toca
               no tronco
dessa minh'árvore
               sagrada

               confiada
estranha fidelidade
ausência-presença
pássaros calados
sintonia
re-visão


.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

da minha poesia

guardo
        um animal
puro arame
        farpado
        dourado
        espetado
no peito

avança
montanha acima
corpo-crampons
escalando garganta de neve

estranho ouriço
enrolado em si mesmo
comemora no pico da língua
sua bandeira


girando em circular impressão autográfica
polvo alucinógena máquina de ferro largando tinta colorida
no azul do seu nome

tatuado
na f'rida aberta
da minha poesia


.

kalifornication

sol & mar
tatuados em dorso de prata
                                  fina
mina
de delicados fios
adourando picos de neblina
alto mamilo de metal


relva de hortelã
sais & sacramentos
na base do vulcão
                 em reta
                 erupção
                 caliente
lava
lábios-labareda
mexicanizando
             rubra poesia
             de ondas
                    sonoras

preciosa aventura

impossível no leste europeu


.

rodapé

eu-corpo
     carma
     cama verti
                cal

des'águas me vertem
                     pesta
                     des

alongado lágri-mar
               salmoura
               saturada
               eubulição
               gargarejo
               gajogago
               circulando
               a garganta

imóvel es-correr de ondas ao revés
                               movimentos abismais
                               implosão de líquidas interior
                                                               idades
eu-mastro
amontanha
aroma de uivos
seca textura vertical
                          m a r é
                          solo de séssil água-viva ainda presa em dedos de madeira-cama


os pés
eu-pés
mil pés
profundamente plantados
no fundo do mar


.

domingo, 8 de setembro de 2013

agora

àgora

corta m'eu pensamento
a agoridade
deste momento

agora



.

       

temporã


pitangas
precoces

rubras & vivas

dulcíssonas
não esperam
       amanhã

escorrem
ao meio-dia            

melodia
temporã



.

perigoso suplemento


nota tal
pé de página
rasgo no corpo textual
ferida aberta incicatrizável

*
lá-na-do-bra-mar-ca-ção
tempo & espaço
do aqui-agora
a-nota-ção
roda-pé
.





*você


.


sonora

um unicórnio
[de verdade]






deitado
na minha cama

muito luxo
pra minha rasa poesia


.

matéria

des
dobra-me

procura nos vincos

geruza
desencorpada


.

metal na língua

o piercing
perfura o som
implante de metal
no coração da poesia

ARPÃO


.

sábado, 7 de setembro de 2013

pizzicato



t'eu contrabaixo
cortado ao meio
braço bifurcado em pernas
ângulo em agudo
apoio de ombros
&
eu voluta fendida
2 pares de cordas
dedos hábeis no dedilhado
sons gravíssimos
liberto-me em F'


.

ainda

gaio
    lá
plantado no peito

não voa


.

tipologia da escrita

amo como sou
                 como
                 poeta


conheço o artesanato
de mãos & língua

m'eu
corpo plena
          mente ins
          pirado
          na palavra

e não aceito
nada que o agrida ou oprima

isso inclui espatilho
               fio dental
               estampa de oncinha
               e cera quente

escrevo como sou
          e como
                      poetas


.

depois da lua

imperdoável
pretensão esta do Eu
                            faço amor


o Amor se faz


.
                  

dos animais

na toca

t(r)oca


.

sete de setembro

7 DE SETEMBRO NA PAULISTA

[da janela]

a passeata passeia embaixo vigiada do alto pelo helicóptero vermelho pousado no ar em canto militar

[observo a'penas]

m'eu rosto impassível e paralisado na máscara rejuvenescedora
de argila
do mar morto



.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

sensações

no teu mergulho
meu amaremoto


.

oferenda

isto é o eu-corpo
isto é o eu-cálice
isto é o eu-espírito
                    santo pão
                    embebido
                    em saliva


em gratidão & adoração
ofereço-me a ti

.

transubstanciação

corpo de manteiga
sobre o meu
          de requeijão

a manhã ser
          em comunhão


.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

impiedoso

impiedoso
é o amor descrente

agulha de gramofone
maratona circular
sobre gramado negro


disparo


indelicado corte intrusivo
riscando o corpo da voz

ruído & interrupção
torturando a presença

ausência amplificada
no grito largo da corneta

impiedoso e descrente
é o amor inautêntico


.

lindo e azul, azul e lindo

Vincent van Gogh - Sternennacht über der Rhone


nem tudo depende só da mão
há pincéis, tintas, telas, paisagens, café, drogas, café, sentimentos

o Presente
planejado para a manhã
pode ser
         à noite

tudo depende da Mão


.

pra no de-noite:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=yEEeYdA7k4k

.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

uma citação




                 que tipo de poeta [é você]
                 [que] coloca a amizade 
                 na frente do 
amor?


[Lota Soares para Elizabeth Bishop]


.