terça-feira, 2 de julho de 2013

pessoal


sim, leio o meu Poeta
heteromímico com des
medida atenção & ad
miração
         e sentimento

neste ritual muito me escarpa,
mas algo se imanta aos dedos
da retina

pro-vocando-meus sentidos
e completando lacu
nas em vãos
do passamento

os poemas que hoje leio
me doem a dor do poeta

se pudesse escrever sopro
de silêncio magia de transe
em poesia pura da verdade
entregaria a ele um recado
que pra si veio da Floresta:

“confia na Força
              confia no Poder”

mesmo a mim-ave
de visão noturna
segredo inacessível
mistério indecifrável
porque não leio
índios & espíritos
leio tão so
            mente poesia

de cenários brancos 
úmidos & gelados

sobrevôo de presságios

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário