quinta-feira, 18 de julho de 2013

pensando bem, eu escrevo também para

eu escrevo pra dizer tudo
exaurir todas as palavras
arrancar do meu corpo
sangue-sugas desvairadas
famintas, saco sem fundo!
escrevo pra abafar o som
dos fonemas preguiçosos
que precisam se encostar
eu escrevo pra cuspir
no chão o que é chão:
merda de cachorro
semente de lichia
água corrente
corrente de ouro
peixinho dourado
nomes simples
nomes próprios
nomes compostos
elementos de coesão
dedos
unhas
omoplata
coxinha de frango
sujeito oculto
dinheiro
livros
e etc e tal,
inclusive.

eu escrevo porque
quando te encontrar
não quero dizer nada
NADA e NADA
palavra nenhuma
sufocando beijo
apenas o silêncio
o silêncio escuro
e macio de olhos
que se olham
sorriem e só

porque tudo
já estará dito
antes mesmo
de o dizer

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário