sábado, 27 de julho de 2013

palavra-muda



posso jurar: ouvi
hoje pela manhã
e ouvi bem suave

palavra-cadente
caindo do céu da tua boca
palavra-baba
escorrendo pelos cantos
palavra-sopro
explodindo num bocejo
palavra-pão
mastigando um sonho

você não soube
dormia, eu não
juro que a ouvi

palavra-amarela
deslizando doce sob a manga do pijama
equilibrando-se na ponta do de
do

mas você dormia
não poderia saber
nem poderia ouvir

somente eu

palavra-cristal
precipitando-se contra o chão
palavra-caco
que nunca chegou a ser grito


g e

      r u

z a

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário