sábado, 13 de julho de 2013

escorpiões marinhos V

fendas
buracos
tijolhos

procure-me ali
     no entulho
     palavras-signo
     ruínas poéticas
     espólio teu

encontre-me lá
     nos becos sujos
     nos restos
     na poesia-loucura
     nos vãos da verdade
   
(no escuro de nuvens
                 e anêmonas)

é lá que eu te espero
     nas águas salgadas
     profundidas despertadas
     sentidos místicos
     vozes de além

te espero
    Escorpião dourado

eu nua e grande
lua dourada
arraia de prata

deita sobre mim
                  Africana
teu corpo úmido
               de mata

te entoca todo na areia quente
                       do meu ventre
sorve teu veneno-remédio
descansa tuas lutas
te deixa envolver

(te envolvo)

mete tranquilo
        sem pressa
        essa dança

me enche de insanidade
me fecunda em poesia

e dorme feliz:
sobremesa minha

ceia noturna
eu lambuzada
arroto a música
          da tua fantasia

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário