sexta-feira, 5 de julho de 2013

cafeína

eu sou branquinha assim
mas não se engana não
              meu nego

eu sou que nem café
líquida, forte, quente
gostosa e en-cor-pa-da

toma de golinho que
eu fervo na tua língua
acendo teu corpo e
teus sentidos e nunca
vou te deixar
          dormir

nunquinha


.


.

4 comentários:

  1. ehehehehe, parti-me a rir com este poema ehehehe
    vc existe mesmo?
    ou é imaginação de quem a está a ler?
    o efeito estimulante da cafeína está fantástico.
    :))

    ResponderExcluir
  2. hahaha
    eu existo, eu acho, quer dizer, será? rs... essa daí tb sou eu, mas tadinha tá meio esquecida... vai ver até já esfriou na chaleira... kkkkk

    ResponderExcluir
  3. sempre que páro neste poema, rio rio :)))

    de vontade mm.
    :)

    ResponderExcluir
  4. hahaha

    qdo tiver tempo olha q legal:

    http://www.youtube.com/watch?v=N5X3AaTLUqI

    ResponderExcluir