terça-feira, 18 de junho de 2013

à flor da pele



escreve na minha pele um poema
poema delicado sem sílaba tônica
que é pra não acordar os poros e
não despertar antigas digitais

escreve na minha pele um poema
poema suave com sílaba sibilante
que é pra só arrepiar os pelos e
verter suores de fino orvalho

escreve na minha pele um poema
e dedilhe as notas de uma canção
antiga e ainda inédita nas coxas
pontilhando curvas e inocência

nos seios, no ventre, no umbigo
nas mãos, na cintura, nos pés

escreve na minha pele um poema
e com a ponta dos dedos derrame
palavras invisíveis sobre cicatrizes
envoltas na sua camisa de algodão

então eu passo um café
fumamos alguns cigarros
você vai embora e eu
fico só com minha poesia
aprendendo-a no espelho

até sabê-la de cor
até sabê-la à flor da pele
até sabê-la pronta

para ser declamada e plantada 
no cerrado gostoso da sua pele

aí você volta
e eu abro a porta


.


.

7 comentários:

  1. fazem amor estas palavras.fazem amor, como dois amantes fazem amor, à luz natural filtrada por leves cortinas de seda de poesia.
    à flor da pele, faz-se amor com este poema.
    TUDO, é tão precioso. os tempos, os toques, a leveza e a beleza.o chega, o vai, o está o volta...
    o estar pronto do poema é perfeita poesia. do fazer amor à flor da pele.

    parabéns.beijos!












    ResponderExcluir
  2. que bom que gostou!
    não tenho pressa, gosto de fazer amor no tempo do amor... :))

    ResponderExcluir
  3. a pressa e inimiga do prazer a pressa de o ter ,ao prazer tb.mas a vontade de o sentir ao amor nao tem espera mas pressa pq existe sempre na minha espera.

    ResponderExcluir
  4. acho que não sei falar sobre isso fora da poesia... rs

    ResponderExcluir
  5. ou seja,nao sabe ficcionar sobre isso.
    :))
    vc acha que eu ficciono?
    nao sinto isso.a nao ser que eu seja ficcao :)
    quer ver que sou?
    :)
    uma nt serena.

    ResponderExcluir
  6. Ametrica querida, claro que vc faz ficção, caso contrário vc usaria seu nome, sua foto, falaria seu signo e outras tantas coisas que eu perguntei... não que vc faça ficção sobre o que diz, particularmente acho que vc é sincera, mas vc faz uso de um 'expediente literário' parecido com o que chamamos de eu-lírico...
    uma entidade safada (desculpa a franqueza)que pode falar o que quer sem ter de responder pelo que diz, ou seja, sem responsabilidade nenhuma pelo que fala e faz... por exemplo, o poeta mandou quebrar o palanque ou traiu a mulher amada, ele vai dizer ah não isso foi o eu-lírico não foi o autor... entende?

    vc é um eu-lírico Ametrica e a identidade que vc protege está se aproveitando de vc pq quando vc tiver de prestar contas ela vai sair ilesa e vc é que vai ter de pagar [as vezes com a vida] pelo que faz em nome "dela"... eu se fosse vc metia a ponte na cabeça dela (achamos outro uso pra ponte hahaha) pra ela parar de ser assim tão cara-de-pau com vc, afinal eu já te quero tão bem... :)))

    ResponderExcluir
  7. e não seja ingênua de pensar "ah mas eu sou ela"... não é pq na hora do vamos ver, ela vai dizer: a culpa é de Ametrica, a autora nunca fala, apenas o eu-lírico...

    xiii já conheci muito eu-lírico safado por aí... rs

    ResponderExcluir