terça-feira, 25 de junho de 2013

10.

eu tenho insônia. minha mãe tem insônia e tosse. e enfisema. o que é uma droga sem tamanho porque toda vez que venho pro interior a gente briga porque ela não para de fumar. ai eu me irrito e fico com mais insônia ainda e a gente acaba se cruzando na cozinha ela fumando escondido e eu atacando a geladeira. insônia me dá fome seguida de enjoo e olhos secos. olha lá a merda tá ela lá tossindo agora cofocfocfocofofcofcofcof seguido de silencinho e começa tudo de cofcofcofcof olha lá. porra que merda... eu tenho medo que minha mãe fique doente tipo daquelas doenças que não se fala o nome. meu pai então aff meu pai é vinte anos mais velho que minha mãe então quando eu nasci ele já não era novo quando eu era nova ele já era velho agora que não sou nova ele tem 81 então eu sempre senti medo de perder meu pai tipo medo medo mesmo daqueles de ir no quarto e por a cara na cara dele pra ver se ele tá respirando faço isso até hoje pra dizer a verdade faço isso todo dia não ponho a cara todo dia mas fico olhando na barriga dele pra ver se mexe pra cima pra baixo pra cima pra baixo pra cima... minha mãe parou de tossir. agora só eu e o barulho da ventoinha mais morfética do mundo o carinha formatou o computador e trocou a ventoinha meu parece que ela quer engolir o mundo vummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm... dai esses dias que ela me viu aqui na madrugada escrevendo e no outro dia perguntou e eu disse que to escrevendo bla bla porque já tinha mandado o lance pra ela que to querendo encontrar uma memoria perdida e por isso tenho de esvaziar minha cabeça até encontrar o ponto fulcral ops e agora o que é fulcral? será que é assim mesmo o termo neste caso? será que to usando essa palavra corretamente? eu nunca usei isso e nem sei como sei mas também não quero parar aqui e procurar então fica assim mesmo quero encontrar o ponto fulcral onde onde o que mesmo? ah para onde tudo converge. então eu disse mãe to escrevendo bla e ela não gostou porque é contra disse que filha isso não é uma boa porque mãe? você não acha que é muita exposição? não sei mãe eu só to escrevendo e não tem diferença de nada que eu escrevo mas filha você fica falando essas coisas e depois se se o que mãe? ah não sei então tá então não dá nada me deixa escrever que escrever é terapêutico e terapia é 200 reais a sessão nossa filha tá tá então escreve... minha mãe não pode ouvir falar em dinheiro é seu ponto fraco tadinha já foi bem pobre até pediu esmola quando era criança. ela não fala muito disso mas quando fala é evidente duas perspectivas a primeira de adulta com a cara de tristeza e depois uma de criança que faz os olhos brilharem e isso é raro na minha mãe os olhos brilharem e aí ela fala que era uma época deliciosa que elas pediam elas ela e minha tia aí levavam o dinheiro pra casa mas compravam sorvete de chupechupe e era uma delicia e também que às vezes roubavam banana na feira e porra se ela sabe que to falando isso aí que ela vira do avesso mesmo. então aí eu falei mãe não dá nada quer ler o que escrevi da ultima vez? e ela leu esse 9 e eu fiquei olhando pra cara dela e esperando. eu fiquei esperando sua reação e ela leu e ficou em silencio e aí eu perguntei e aí mãe? ela disse forte e ficou quieta e eu fiquei quieta porque achei que rolou uma compreensão ali e ela repetiu nossa muito forte né? e eu é mãe e aí o silêncio e eu devia de ficar quieta mas essa minha mania de perguntar e escarafunchar eu perguntei forte por que mãe? aí ela disse ah tem muito palavrão né sei lá esse monte de palavrão é estranho... porra... porra fulcral meu! puta decepção! puta decepção cara! porque minha mãe é minha mãe ela sabe do que eu to falando ela sabe que eu to falando uma merda difícil pra caralho ela tava lá quando eu cheguei e embora eu não tenha me descabelado e embora eu não tenha chorado no colo dela e embora ela tenha chorado no meu colo pedindo pra eu chorar no colo dela e embora tudo ela sabe ela sabe que eu to falando da cabeça de N. eu to espatifando de novo a cabeça de N. no asfalto que meu que é um treco difícil pra caralho e eu to mostrando a porra da cabeça porque porra... ah sei lá meu tem uma cabeça esmagada lá e ela diz que é forte e então eu acho que ela tá vendo a cabeça comigo e que eu não to sozinha lá naquela noite e que ela vai me me olhar enquanto eu pego a vassoura e junto aqueles cacos de crânio e raspo com a faca o cérebro que tá coladono chão e cato os cabelos e depois sento no acostamento e ela me ajuda a colar os caquinhos e enfiar tudo lá de novo e depois espetar um por um os fiozinhos e aí aí eu coloco a cabeça dele no meu colo e nino ele com uma musica e aí depois que ele tiver dormindo eu deito no colo da minha mae e ela nina a gente mas ela não vai fazer isso porque ela tá preocupada com a PORRA DO CARALHO DO CACETE DA MERDA DO PALAVRÃO QUE EU USEI E NEM TÁ VENDO A CABEÇA A NÃO CABEÇA O QUE ERA UMA CABEÇA ANTES DE EU TER PASSADO POR CIMA DELA COM AS RODAS DO MEU CARRO E ESMAGADO AS IDEIAS OS SONHOS AS ILUSÕES AS PAIXÕES OS TESÕES E A PUTAQUEOPARIUDOCARALHO A QUATRO QUE N. GUARDAVA LÁ OU ESCONDIA... vai ver mesmo que não tinha nada na cabeça dele. vai ver que nem tinha cabeça pra ele ser assim... um homem invisível.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário