domingo, 12 de maio de 2013

lá em cima do piano tinha um copo de veneno


aos meus pés
parecia apenas uma casa
aberta à visitação

mas entrei descalça e pisei
na estranha intimidade
de cortinas azuis
da disposição dos móveis
dos vazios incômodos

do cheiro 
que restou de um banho

vapor

sensação de frio
percorre trilhos da coluna

te ouço
coração bate suas asas
assustado no peito

confusão de galhos folhas luzes & buzinas
flashes fílmicos memória esfaqueada
tudo ao revés
os dedos da ideia gritam não
o peito arfa dizendo que é sim

te encontro
coração bate assustado minhas asas
quebradas

fujo
entoco-me
o muro se levanta

lá em cima do piano
tinha um copo de veneno


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário