domingo, 19 de maio de 2013

dos estranhos hóspede que se vão

aquele que fecha a mim
as portas de sua casa
aquela alta de paredes azuis
[no meio da noite]
sem nada dizer-me
um bilhete
uma carta
um recado qualquer
mencionando o motivo
de apagar meus vestígios
recusar minha Amizade


tendo sido longo tempo
convidado de honra
nos meus aposentos:
    porta aberta
    livros expostos
    mesa farta
    cama faminta
    a minha mais dedicada
                    atenção

ofende minha hospitalidade
ofende
consideravelmente
minha hospitalidade

fecho-me eu então
ao hóspede hostil e indigno
da grandeza & leveza
desta Poesia


.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário