quarta-feira, 15 de maio de 2013

da união de dois


se eu me casasse
com um Poeta

daria a ele
todos os dias
uma palavra nova
menina ou velha
em estado de dicionário
ou enrolada em sete véus

uma palavra por dia
todos os dias

e quando acabassem
inventaria outras
coloridas rugosas
desnecessárias-e-urgentes
principalmente

certo que haveria dias
em que sopraria 
seus ouvidos só
com o silêncio

mas nem por isso
esperaria que a mim
me presenteasse
com poemas cartas
livros & coletâneas

não esperaria nada (para além dele)
porque o saberia
Poeta

sopraria ao seus ouvidos, sempre:
" nuncaacaba, ouviu?
e lhe daria meu amor
tornado gesto poético

e tudo isso seria lindo

mas nem tudo isso
daria garantias
de que duas palavras
ficassem unidas

para-sempre



.

Nenhum comentário:

Postar um comentário