quinta-feira, 21 de março de 2013

porque nem tudo se apaga



há ainda uma imagem
colada à retina
que não quer se apagar:

ele o teatro o canto
a cadeira vermelha
as cadeiras vermelhas
a platéia invisível
ele o chapéu a paixão
ele

seus olhos dirigem a câmera
dirigem-se aos meus

o palco se inverte
dissolve-se a moldura
inverte-se o palco

giros de mais uma vez
e outra

ininterruptos deslocamentos
transferências
câmera lenta
movimento corte movi
mento

pisco
cai a cortina

[não nos separa]

você ainda está lá
e aqui.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário