quarta-feira, 13 de março de 2013

onírico



suavemente
toco escamas de ouro

o Homem-peixe
filho do Sol e da Neve

desloca-se
para a noite azul de minhas águas

contorna doçura & sal
desafia o tédio das horas
levanta a saia de minhas marés
e migra do norte ao sul e do sul ao norte
                               que essa é sua vontade
                               que esses são seus domínios

e volta

volta ao centro onde se fez
desejo & necessidade

*

Tu que não dormes sonhando alvoreceres
vigia no então meu sono

repousa tua fundura na minha
esquece o raso o raro o riso o rumo o voo
esquece o que não é noite e escuridão
mergulha suavemente teu corpo
no mel
          meu Amarelo Rei

e divido contigo a intuição
de um TESOURO

que disfarçado de superfície e sussurro
sete vezes abaixo
do mais escuro
                sete vezes cercado de monstros marinhos
                sete vezes restos de um navio fantasma
onde o tempo não se houve
onde o tamanho dessa força de mar
onde o tamanho dessa coragem de mulher
                sete vezes ainda maiores do que se sabe

sem tua fé de homem & peixe
desprovida de deuses e heróis
sem VOCÊ
               

não posso chegar.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário