quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

TOMA-ME




toma-me, Tempo
                senhor dos destinos
                artesão dos meus dias
                arquiteto dos sonhos
                maestro das estações
               
mas toma-me agora
sem pena das horas      
no descompasso
do instante

toma-me que a ti me ofereço
em abandono 
               desejo & necessidade
na pressa de um já
no improviso de um jazz
toma-me tua em tuas mãos
                                        de poeta

toma-me, Tempo
e queima isso que em mim é fogo
e sorve isso que em mim é água & hortelã
e encanta isso que é serpente dissoluta
e consome isso tudo
                               que é teu
por favor
agora e sem memória
liquida-me



Tempo, toma-me
enquanto há tempo.


.

Um comentário: