sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

quando não há ficção & poesia



desconfio mesmo de que não teria olhos para me querer ver
acaso me encontrasse dentro do que sou
na realidade
aqui




no metrô
apertadespremidacansadapálidumilhadasuadadescabeladamarrotadexploradinvisívelmuda...

invisível & e muda
seca

sem poesia
sem ficção

olhos pregados na janela do trem acompanhandocinzaluzcinzacinzacinzaluzcinzluzcinluzluzsim

sem vocabulário
sem voz

acaso seus olhos adivinhariam
fome?
chama?
alma?
gente?

ou só essas palavras vazias de sentido que recolho aleatoriamente pra entregar ao nosso silêncio acaso se sente ao meu lado agora que todos desceram na estação
vermelha
cuidado
preferencial
escada
aguarde
crianças
colo
café
não fume
shark
segurança
verde
linha
rolante
paraíso
liberdade
brigadeiro
watch the gap

watch the gap

watch

watch the gap

the gap

gap


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário