terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

espelho d'água



E se minha língua
                delicada como onda
                                deslizando apenas
murmurasse em teu ouvido o que se passa aqui
por detrás do espelho d’água?

e quente e salgada e espumosa
te contasse as penas

desses polvos todos com suas ventosas
            enlaçando
espremendo
colorindo meu corpo 
                      antes branco branco
                                                 como o teu
               
desses crustáceos mecânicos
                perfurando íntimos orifícios
                invadindo esperas cerimoniosas

desse cardume de peixes elétricos
                em orgia desatinada pelo meu cérebro

dessas águas revoltosas enlouquecidas e quentes
                forçando a membrana plana da ideia

desse ouriço venenoso
   entalado na garganta...



meu mar 
nunca mais foi o mesmo
desde que mergulhou nele


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário