quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

circunstâncias



meus dedos se colam aos seus
movidos por uma espécie de FÉ
porque pra mim que vivo num agora
circular e eterno
o nome mais próximo é esse

não há garantias

não há garantia pra você que esse você que menciono aqui é você
não há garantia pra mim que você seja Aquele
que um dia me salvou dos leões na grande caçada que nadou comigo no nilo na noite sem lua que esteve comigo até que eu fechasse os olhos prometendo que voltaríamos a nos ver que me ensinou a cantar e plantar arroz que me matou com um golpe de espada que fez amor comigo sob um tapete de estrelas que dividiu o pão quando eu morria de fome que...

não há garantias
a não ser esse buraco no seu peito
que reconheci imediatamente
quando o vi notívago pelas ruas da cidade
esse buraco que quase toco porque
                               sinto você tão perto hoje

hoje que estou calma
                            eu que sou tão agitada tão voraz

hoje que queria colar meu peito ao teu 
                                                  tão semelhante
dois seres com buracos no peito vagando na noite

neste hoje sem tamanho queria estar em você
e eu só deitaria no teu peito amputado e pensaria brancuras 
                                                             sem sangue e culpa
e sem sexo porque hoje eu só queria te amar como amam aqueles que amam sem pressa
e ouvir suas histórias
ouvir essas palavras-portais pra tudo que não vi que não vivi
ou que esqueci quando morri em 2003 
                                              ou 2009 
                                              ou 2010
                                              ou 1982

tenho morrido tanto ultimamente
e matado mais do que gostaria
e estado nesses limiares
sozinha e trancada nesse corpo
intocável

às vezes eu fico cansada
hoje eu estou cansada e com sono
e todas as palavras que me consigo resgatar são redondas e planas e comuns

mas sinto uma necessidade de falar com você hoje
talvez amanhã eu esteja mais interessante mais descontraída mais girassol do que margarida
mas eu preciso dizer que não tem mais jeito de eu ficar sem falar com você mesmo que assim sob tantas e tantas e tantas circunstâncias

eu não sei se isso é um jogo em que as regras se fazem sozinhas
ou se é mesmo o que me disseram meus índios na floresta
ou se eu enlouqueci como dizem meus amigos

só sei que eu preciso fazer alguma coisa que pode ser inclusive
não fazer nada para que as coisas se façam elas mesmas

mas eu estou tão cansada hoje e com sono
eu queria viver um dia dentro de você
mas estou tão cansada e com sono
e dentro de você há tantos mundos tantos lugares tanta coisa que nunca vi 
tem até eu mesma

já faz tanto tempo que sou refém das suas histórias
acho que estou gostando mesmo de você.


.


Nenhum comentário:

Postar um comentário