sexta-feira, 17 de novembro de 2017

cascos

teus cascos
sobre
minha boca
e um ponto
final
adianta-se
no meio
da frase que
nunca
terminou.


.

pineal

desloco a pineal
com as pontas
dos dedos
leio em braile
teus dentes
falam da fome
de uma barriga
cheia


.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

bruxa

e se eu dançasse sobre o meu sexo?
se tocasse-o com os dedos como toco-o
com os dedos?
se afundasse meus dedos dos pés na terra úmida
do meu sexo?
pisasse-o como às uvas até florescer, ver
te-lo vinho
vermelho?
diriam aqueles que voam
é uma bruxa essa que tem os pés
plantados na própria selvageria
e eu levantaria as saias e mostra
-ria os dentes
da vagina
afinados e retorcidos como unhas
famintas
encravadas na casa 7
é quente

a casa da loucura
e da fantasia

indecifráveis as digitais
como linhas que costuram os caminhos
pra dentro


.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

três

na casa das três mulheres
3 bucetas
esquizofrênicas
sem pai ou mãe
sem karma ou dharma

3 bucetas
esquizo
frênicas
e uma plantação de margaridas
indecifráveis


..

terça-feira, 31 de outubro de 2017

aquela que

aquela que come unhas
cava
com os dentes
a própria história e alguns
caramujos
retorcidos

frágil aquela que come
unhas que já não tem
dedos
de pouca digital
dentes
cegos de corte
pescoço inclinado
de chão

aquela que come unhas
tem o ventre afiado
a vagina ressequida

aquela que come unhas
tem o corpo entortável


corpo bom
para uma boa tortura


.

biológico

presa dessa cadeia
evolutiva
de versos livres

desnecessária
como o pente
ao careca
ou as palavras
ao poeta


.